Home
  O Festival
  Oficinas
  Jurados
  Regulamento
  Premiação
  Inscreva seu Grupo
  Programação Completa
  Tire suas Dúvidas
  Meu Grupo está Confirmado
  Os Vencedores
  Fotos
  Vídeos
  Informativos
  Sobre Piratuba
  Pontos Turísticos
  Onde se Hospedar
  Como Chegar
  Localização
  Contato
 
 

REGULAMENTO GERAL  

FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇA DA TERCEIRA IDADE DE PIRATUBA / 2017 

DAS FINALIDADES:  

O "FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇAS DA TERCEIRA IDADE DE PIRATUBA" tem como finalidades: 
- Estimular a participação da terceira idade em atividades de danças recreativas, visando ampliar as perspectivas de uma qualidade de vida; 
- Contribuir na reversão da imagem do idoso em nossa sociedade, para que se conquiste o respeito das demais gerações, mostrando a capacidade da terceira idade através da dança; 
- Sensibilizar a sociedade para novas formas de participação da pessoa idosa em atividades culturais; 
- Proporcionar a diversidade dos canais de comunicação, convívio social e troca de experiências entre essas pessoas e as demais gerações; 
- Valorizar e estimular a prática da dança, como fator de promoção de saúde e bem estar, resgatando a autoestima para um melhor convívio social; 
- Propiciar o conhecimento da dança por intermédio de cursos.

 
OBJETIVO:  
- Propiciar à população local e turistas que visitam a cidade de Piratuba, a construção da cidadania através do espaço voltado ao idoso oportunizado pela dança, buscando integração de manifestações corporais e artísticas, assim como, a troca de experiências e informações acerca dessa cultura;
- Criar espaços para que a dança e o concurso sejam uma forma de integração e desenvolvimento social da terceira idade em toda sua diversidade;
- Valorizar a arte da dança oportunizando o desenvolvimento de novos talentos e a troca de experiências entre grupos de várias cidades, Estados e Países.
 
DATA DO EVENTO: 
O evento acontece no período de 05 a 09 de novembro de 2017.
 
LOCAL: 

CENTRO DE EVENTOS DE PIRATUBA
Rua Florianópolis, nº 246 
Bairro: Balneário 
Piratuba - SC

 
INSCRIÇÃO: 
Período da inscrição: de 26/07/2017 até a meia noite do dia 20/10/2017.
 
MATERIAL PARA A INSCRIÇÃO: 
O Grupo deverá postar até dia 20/10/2017 (via Sedex), para o endereço já citado, os seguintes materiais:
- Ficha de cadastro do grupo preenchida e assinada pelo responsável (ou Coreógrafo); disponível em www.festivaldedancapiratuba.com.br;
- Fichas coreográficas preenchidas. Ressalta-se que para cada coreografia inscrita deverá ser apresentada uma ficha de inscrição (Dança Coreográfica Livre, Dança Popular, Dança de Salão Conjunto e Dança de Salão Casal);
- Inscrição para dança de salão duplas deverão ser preenchidas individualmente, por casal inscrito;
- Cópia do RG e foto 3x4 de cada integrante (Coreógrafos, Auxiliares e Dançarinos). A foto deve ser atual e com identificação atrás. Não serão aceitas cópias scaneadas ou impressas em folha A4;
- É obrigatória a apresentação de atestado médico antes do início do evento, tendo validade até 60 dias, com assinatura, carimbo e CRM do médico, contendo a plena capacidade do dançarino, para a competição, ou seja, sua aptidão física para dançar no evento.
 
TAXA DE INSCRIÇÃO: 
- A taxa de inscrição é de R$ 35,00 (trinta e cinco reais), por participante. (são considerados participantes: coreógrafo, auxiliares e dançarinos);
- Cópia do comprovante de depósito relativa à taxa de inscrição (o valor do depósito deverá corresponder ao valor total da taxa multiplicado pelo número de participantes do grupo);
-Deposito deve ser em caixa e identificado e valor em dinheiro;
-Comprovante de Deposito devera ser mandado por e-mail, para confirmação das inscrições.

Dados para o depósito
Banco do Brasil
Agência: 3636-6
Conta Corrente: 18.361-X (Festival de Dança de Piratuba)
O depósito deve ser identificado:
 
ENDEREÇO PARA ENVIO DOS MATERIAIS / CORRESPONDÊNCIA 

Centro de Eventos de Piratuba
Fundação de Cultura e Eventos de Piratuba
Rua Florianópolis, nº 216, Bairro Balneário
CEP: 89667-000
Aos cuidados de Luana Débra Machado
Diretora de Cultura e Eventos
Piratuba/SC

 
CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO 
MOSTRA COMPETITIVA  
- Cada grupo poderá inscrever até 04 (quatro) trabalhos coreográficos, isto é, uma, inscrição na categoria Dança Coreográfica Livre, uma na categoria Dança Popular Folclórica, uma na categoria Dança de Salão Conjunto e uma na categoria Dança de Salão Casal com direito aos cursos oferecidos pelo evento, participação nos palcos abertos e ao concurso mister e musa do festival.Observação: Se o grupo quiser inscrever mais do que quatro coreografias, será cobrado o valor de R$ 10,00 (dez reais) por participante, em cada coreografia. 

- Será considerado como conjunto o mínimo de 4 (quatro) participantes e o máximo de 30 (trinta) participantes, por coreografia.
- O tempo máximo de apresentação para cada trabalho coreográfico será de 5 minutos
- Cada grupo participante terá um (01) minuto para montagem de cenário e entrada e um (01) minuto para retirada de cenário e saída. Tempo esse que não poderá ser contado como coreografia. 
É obrigatória a apresentação do documento de identidade na hora da apresentação, bem como o uso de crachá de identificação. 
 
CATEGORIA: 
A participação no evento é restrita para dançarinos com idade mínima de 50 anos (nascidos até 01 de outubro de 1966), atuantes em grupos de dança, clubes, associações, prefeituras e entidades.
 
INTEGRANTES DO ELENCO: 
COREÓGRAFO:  
É permitido inscrever até 4 (quatro) coreógrafos por grupo, ao qual caberão: 
- Fazer a retirada do material de identificação de inscrição, junto a coordenação do evento; 
- Acompanhar o grupo (ou designar outro membro) durante o ensaio de palco, e na entrada e saída dos dançarinos do palco no dia da competição. Após, este terá 30 (trinta) segundos para retirar-se do palco; 
- Solicitar a alteração de elenco (ação exclusiva do coreógrafo ou seu representante); 
- O coreógrafo não poderá estar inscrito em grupos diferentes;
- O coreógrafo não poderá competir, mesmo que tenha idade;
- No momento da apresentação, coreógrafo deverá dirigir-se a cabine de som e luz para orientar sobre a utilização da iluminação cênica e sobre a trilha sonora da coreografia;
- Não será permitida a presença do coreógrafo nas coxias e em frente ao palco, como forma de orientação da apresentação do grupo;
- Participar na reunião com os jurados, que acontece na manhã do dia seguinte, após a apresentação do grupo.
 
AUXILIAR DE COREÓGRAFO: 
É permitido inscrever até 4 (quatro) coreógrafos por grupo, ao qual caberão:
- Fazer a retirada do material de identificação de inscrição, junto a coordenação do evento;
- Acompanhar o grupo (ou designar outro membro) durante o ensaio de palco, e na entrada e saída dos dançarinos do palco no dia da competição. Após, este terá 30 (trinta) segundos para retirar-se do palco;
- Solicitar a alteração de elenco (ação exclusiva do coreógrafo ou seu representante);
- O coreógrafo não poderá estar inscrito em grupos diferentes;
- O coreógrafo não poderá competir, mesmo que tenha idade;
- No momento da apresentação, coreógrafo deverá dirigir-se a cabine de som e luz para orientar sobre a utilização da iluminação cênica e sobre a trilha sonora da coreografia;
- Não será permitida a presença do coreógrafo nas coxias e em frente ao palco, como forma de orientação da apresentação do grupo;
- Participar na reunião com os jurados, que acontece na manhã do dia seguinte, após a apresentação do grupo.
 
DANÇARINOS: 
São os figurantes/ dançarinos que farão as apresentações em palco
 
DAS ALTERAÇÕES
As alterações poderão ser efetuadas com base no elenco de dançarinos inscritos em cada coreografia.
- de 04 a 10 dançarinos: até 02 alterações;
- de 11 a 20 dançarinos: até 04 alterações;
- de 21 a 30 dançarinos: até 06 alterações;

As alterações poderão ser efetuadas com base no elenco de dançarinos inscritos em cada coreografia.
- de 04 a 10 dançarinos: até 02 alterações;
- de 11 a 20 dançarinos: até 04 alterações;
- de 21 a 30 dançarinos: até 06 alterações;
Observação*: Para efetuar alteração de elenco é necessário encaminhar o documento de identidade do novo dançarino (a), com justificativa assinada pelo coreógrafo do grupo ou seu coordenador. Nessa substituição deverá ser identificado o dançarino a ser substituído, bem como a coreografia. As alterações deverão ser solicitadas até o dia 20 de outubro de 2017.
 
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS: 
- Os participantes do festival comprometem-se a ceder as imagens para utilização na promoção e divulgação do evento;
- A organização encaminhará por e-mail as informações do evento;
- Os jurados, juntamente com a Comissão Organizadora do Festival de Dança da Terceira Idade 2017, de Piratuba (SC), estarão habilitados para desclassificação da competição, os participantes e grupo que:
- Não cumprirem as disposições do regulamento;
- Que por falta de ética ou ato impróprio, possam vir a prejudicar a imagem do evento, ou causar qualquer inconveniência aos demais participantes e ao público;
- O dançarino esteja inscrito em mais do que um grupo;
- Não apresentar a documentação de inscrição na data limite, exigida no regulamento;
- Estejam sendo orientados durante a apresentação pelo seu coreógrafo e ou auxiliar de coreógrafo;
- A não apresentação do documento de identidade e crachá de identificação, na entrada para o palco;
- Grupo que apresentar participantes que não estejam inscritos para a coreografia;
- Não apresentar a desistência ou substituição de um bailarino mediante atestado médico.
A comissão organizadora do Festival de Dança da Terceira Idade - 2017, de Piratuba resolverá quaisquer inconvenientes que estejam omissos no presente regulamento.
 
CONTATOS COM A ORGANIZAÇÃO DO EVENTO – SECRETARIA DE TURSIMO / FUNDAÇÃO DE CULTURA E EVENTOS DE PIRATUBA:  
Luana Débra Machado - Gerente Operacional do Festival Internacional de Dança da Terceira Idade de Piratuba e Diretora de Cultura e Eventos de Piratuba.
Telefones de contato:
(49) 3553 6257
(49) 98806 7468 ou (49) 99166 3035
(49) 3553 0485

Susana Keller Weickmann - Coordenadora Geral do Festival Internacional de Dança da Terceira Idade de Piratuba e Superintendente da Fundação de Cultura e Eventos de Piratuba e Secretária de Turismo.1
 
REGULAMENTO TÉCNICO 2017
GÊNEROS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA MOSTRA COMPETITIVA 2017
DA AVALIAÇÃO
- As coreografias inscritas para participar da MOSTRA COMPETITIVA, serão analisadas por uma banca de jurados composta por até 5 (cinco) profissionais. Caberá a organização a mudança do número de jurados caso se faça necessário.
- Cada jurado avaliará os trabalhos coreográficos com uma nota única de 5,0 (cinco) à 10,0 (dez), que poderá ser fracionada e tecerão comentários sobre a composição coreográfica do trabalho, o corpo de bailarinos e a técnica do grupo.
- Cada trabalho será analisado conforme os critérios de cada categoria citados neste regulamento (Dança Coreográfica Livre, Danças Populares Folclóricas, Dança de Salão Conjunto e Dança de Salão Duplas).  
 
DAS CATEGORIAS 
1. DANÇA COREOGRÁFICA LIVRE
Consiste em coreografias de livre criação, que contemplam gêneros diversos entre eles, dança contemporânea, jazz, dança moderna, ballet clássico, danças urbanas, ou a mistura de alguns desses gêneros.

Critérios avaliativos:
Os coreógrafos, na criação e montagem da sua coreografia, deverão observar os seguintes critérios que serão avaliados pelos jurados:
I - Criatividade - ideia inovadora relacionada ao tema proposto e que se desenvolva com início, meio e fim;
II - Figurino - caracteriza-se por vestimenta, maquiagem específica, bem como alegorias de mão ou de cabeça e cenário que denote algum efeito ou impacto na apresentação, por movimentos, formações, pose inicial, pose final e outros, que valorizem a apresentação e não prejudique o visual estético.
III - Composição coreográfica - o trabalho que melhor explorar os seguintes elementos coreográficos:
- Variações ou combinações de movimentos corporais executados de forma criativa, transmitindo uma mensagem ou contexto idealizado pelo coreógrafo (professor que criou a coreografia). Deverá apresentar variações na escolha de elementos corporais, em diferentes níveis (alto, médio e baixo), diferentes formas de deslocamento formando desenhos no espaço, movimentos que acompanham e coincidam com a variação do ritmo da música, variação de trabalho de subgrupos e grupo todo, desenvolvendo a dinâmica da coreografia apresentada. Tudo que se apresentar de forma diferente da conhecida e convencional, que pode ser: movimentos originais, formações originais, início, ou término de forma original (inesperado), combinações de movimentos que surpreendam ou tenha muita complexidade. A coreografia é para dançar e não para interpretação da música (teatro), ou grandes elementos de figurino ou cenográfico. Estes poderão existir, porém não devem ser o foco principal, lembrando que devem estar aliados, num conjunto da coreografia sem roubar o objetivo principal, que deve ser a movimentação coreográfica, em sua riqueza de conteúdo.
- Forma - inovar buscando formas inteligentes com o -dançarino, trios, subgrupos e grupos utilizando o movimento e o corpo do aluno-dançarino em sua amplitude;
- Sincronia/ritmo - buscar dinâmicas rítmicas variando e inovando com novos ritmos espaciais e musicais; os movimentos corporais executados deverão coincidir com a marcação rítmica. Deverão caracterizar-se as variações rítmicas (lento, moderado e rápido), estar em perfeita harmonia com a coreografia e seus movimentos;
- Desenvoltura cênica - perceber se o aluno-dançarino possui presença cênica e expressão facial interpretando a coreografia; verificar se em palco está de acordo com a temática proposta;
- Tema - observar se a temática proposta foi desenvolvida em todos os seus aspectos: espaço, ritmo, figurino, ação cênica do início ao fim. Se a proposta é coerente e está de acordo com o enredo da coreografia do começo ao final;
- Técnica do grupo – melhor interpretação.
 
D 2. DANÇAS POPULARES / FOLCLÓRICAS (PARAFOLCLÓRICAS DE PROJEÇÃO) 
Os coreógrafos, na criação e montagem da sua coreografia, deverão observar os seguintes critérios que serão avaliados pelos jurados:
I - Criatividade - ideia inovadora relacionada ao tema proposto e que se desenvolva com início, meio e fim;
II - Figurino - caracteriza-se por vestimenta, maquiagem específica, bem como alegorias de mão ou de cabeça e cenário que denote algum efeito ou impacto na apresentação, por movimentos, formações, pose inicial, pose final e outros, que valorizem a apresentação e não prejudique o visual estético.
III - Composição coreográfica - o trabalho que melhor explorar os seguintes elementos coreográficos:
- Variações ou combinações de movimentos corporais executados de forma criativa, transmitindo uma mensagem ou contexto idealizado pelo coreógrafo (professor que criou a coreografia). Deverá apresentar variações na escolha de elementos corporais, em diferentes níveis (alto, médio e baixo), diferentes formas de deslocamento formando desenhos no espaço, movimentos que acompanham e coincidam com a variação do ritmo da música, variação de trabalho de subgrupos e grupo todo, desenvolvendo a dinâmica da coreografia apresentada. Tudo que se apresentar de forma diferente da conhecida e convencional, que pode ser: movimentos originais, formações originais, início, ou término de forma original (inesperado), combinações de movimentos que surpreendam ou tenha muita complexidade. A coreografia é para dançar e não para interpretação da música (teatro), ou grandes elementos de figurino ou cenográfico. Estes poderão existir, porém não devem ser o foco principal, lembrando que devem estar aliados, num conjunto da coreografia sem roubar o objetivo principal, que deve ser a movimentação coreográfica, em sua riqueza de conteúdo.
- Forma - inovar buscando formas inteligentes com o dançarino, trios, subgrupos e grupos utilizando o movimento e o corpo do aluno-dançarino em sua amplitude;
- Sincronia/ritmo - buscar dinâmicas rítmicas variando e inovando com novos ritmos espaciais e musicais; os movimentos corporais executados deverão coincidir com a marcação rítmica. Deverão caracterizar-se as variações rítmicas (lento, moderado e rápido), estar em perfeita harmonia com a coreografia e seus movimentos;
- Desenvoltura cênica - perceber se o aluno-dançarino possui presença cênica e expressão facial interpretando a coreografia; verificar se em palco está de acordo com a temática proposta;
- Tema - observar se a temática proposta foi desenvolvida em todos os seus aspectos: espaço, ritmo, figurino, ação cênica do início ao fim. Se a proposta é coerente e está de acordo com o enredo da coreografia do começo ao final;
- Técnica do grupo – melhor interpretação.

Critérios Avaliativos
Os coreógrafos, na criação e montagem da sua coreografia, deverão observar os seguintes critérios que serão avaliados pelos jurados:
I - Criatividade - ideia inovadora relacionada ao tema proposto e que se desenvolva com início, meio e fim;
II - Figurino - caracteriza-se por vestimenta, maquiagem específica, bem como alegorias de mão ou de cabeça e cenário que denote algum efeito ou impacto na apresentação, por movimentos, formações, pose inicial, pose final e outros, que valorizem a apresentação e não prejudique o visual estético.
III - Composição coreográfica - o trabalho que melhor explorar os seguintes elementos coreográficos:
- Variações ou combinações de movimentos corporais executados de forma criativa, transmitindo uma mensagem ou contexto idealizado pelo coreógrafo (professor que criou a coreografia). Deverá apresentar variações na escolha de elementos corporais, em diferentes níveis (alto, médio e baixo), diferentes formas de deslocamento formando desenhos no espaço, movimentos que acompanham e coincidam com a variação do ritmo da música, variação de trabalho de subgrupos e grupo todo, desenvolvendo a dinâmica da coreografia apresentada. Tudo que se apresentar de forma diferente da conhecida e convencional, que pode ser: movimentos originais, formações originais, início, ou término de forma original (inesperado), combinações de movimentos que surpreendam ou tenha muita complexidade. A coreografia é para dançar e não para interpretação da música (teatro), ou grandes elementos de figurino ou cenográfico. Estes poderão existir, porém não devem ser o foco principal, lembrando que devem estar aliados, num conjunto da coreografia sem roubar o objetivo principal, que deve ser a movimentação coreográfica, em sua riqueza de conteúdo.
- Forma - inovar buscando formas inteligentes com o -dançarino, trios, subgrupos e grupos utilizando o movimento e o corpo do aluno-dançarino em sua amplitude;
- Sincronia/ritmo - buscar dinâmicas rítmicas variando e inovando com novos ritmos espaciais e musicais; os movimentos corporais executados deverão coincidir com a marcação rítmica. Deverão caracterizar-se as variações rítmicas (lento, moderado e rápido), estar em perfeita harmonia com a coreografia e seus movimentos;
- Desenvoltura cênica - perceber se o aluno-dançarino possui presença cênica e expressão facial interpretando a coreografia; verificar se em palco está de acordo com a temática proposta;
- Tema - observar se a temática proposta foi desenvolvida em todos os seus aspectos: espaço, ritmo, figurino, ação cênica do início ao fim. Se a proposta é coerente e está de acordo com o enredo da coreografia do começo ao final;
- Técnica do grupo – melhor interpretação.
 
DANÇA DE SALÃO 
Refere-se a um conjunto de danças realizadas a dois (pares). As danças de salão são praticadas socialmente, como forma de entretenimento, integração social e também podem ser apresentadas em competições. No Brasil, são praticadas algumas danças de salão, entre elas: o forró, o samba de gafieira, o soltinho, o bolero, o tango, o zouk, a lambada, a salsa, entre outras. Os Jurados levarão em consideração a dança de salão de baile, cujos critérios mais importantes a serem analisados serão:
Técnica Deslocamento no Salão
Musicalidade Harmonia do Casal
Criatividade Expressão Corporal
Ritmo Figurino
 
Os estilos do Festival 2017 serão:
1. Valsa: (do alemão Walzer), surgiu na Áustria e na Alemanha e é um gênero musical de compasso ternário, ou então binário composto (embora muitas vezes, para facilitar a leitura, seja escrita em compasso ternário). Dança caracterizada por sua postura elegante e grandes evoluções em deslocamentos com giros nos grandes salões. As valsas foram muito tocadas nos salões vienenses e muito dançada pela elite da época.

2. Forró: Forró é um ritmo e dança típicos da Região Nordeste do Brasil, praticada nas festas juninas e outros eventos. Diante da imprecisão do termo, é geralmente associado o nome como uma generalização de vários ritmos musicais dessa região, como baião, a quadrilha, o xaxado, que têm influências holandesas e o xote, que tem influência portuguesa. São tocados, tradicionalmente, por trios, compostos de um sanfoneiro (tocador de acordeão, que no forró é tradicionalmente a sanfona de oito baixos), um zabumbeiro e um tocador de triângulo. Também é chamado arrasta-pé, bate-chinela.

3. Vaneirão: Ritmo dançante derivado da havaneira cubana, praticado na região sul do Brasil. O vaneirão também conhecido como limpa-banco tem andamento mais rápido do que a vaneira, prestando-se ao virtuosismo do gaiteiro de gaita piano ou botonera (voz trocada). O Vaneirão, com sua vivacidade, exige bastante energia, tantos dos músicos, como dos bailadores. Critérios avaliativos: 
- Todos os casais serão avaliados pelos jurados, e receberão pontuação de 5,0 (cinco) a 10,0 (dez) em cada ritmo, podendo receber pontuação decimal; 
- A pontuação não terá caráter acumulativo entre etapas, ou seja, a pontuação conquistada na apresentação classificatória será desconsiderada na pontuação da final;
- Se houver empate de notas na classificação final, os casais nessa situação dançarão um novo ritmo, o Tango, com atribuição das notas de 5,0 (cinco) a 10,0 (dez);
- A quantidade de casais, por bateria, ficará a cargo do coordenador do evento, de acordo com o número de participantes, porém nunca ultrapassando o limite de 6 casais por bateria.
 
4. DANÇA DE SALÃO CONJUNTO: 
As danças de salão surgiram entre os nobres da Europa e principalmente com o surgimento da dança realizada com casais. Quando os europeus foram colonizar as Américas, eles levaram as danças em locais fechados para essas localidades. Foram nesses países que surgiram os tipos mais comuns de dança de salão como samba, tango (argentino, americano e internacional), salsa, bolero e maxixe. Segue outros como forró, samba de gafieira, merengue, chá chá chá, rumba, zouk, soltinho entre outros. (Retirado de KERDNA Produção Editorial LTDA). Será considerado “dança de salão conjunto” a partir de duas duplas (homem x mulher representado).

Critérios Avaliativos:
Todos os estilos de dança de salão serão aceitos.
Composição coreográfica: deverá ter os princípios básicos como:
Espaço: Deslocamento espacial, formas espaciais e planos, níveis espaciais;
Ritmo e Sincronia e Musicalidade: do conjunto e a percepção do coreógrafo na montagem da coreografia, na variação rítmica e aproveitamento da música em todas suas esferas e da sincronia do grupo;
Movimentação: adequada ao estilo da dança de salão escolhido.
Técnica de grupo: A que retratar o estilo escolhido na sua execução com maior fidelidade;
Criatividade: A obra que além de apresentar os fatores da dança de salão, surpreenda com sua temática e riqueza do universo da criação e da interpretação dos bailarinos;
Pares: Devem estar alinhados no conjunto da obra e dos estilos escolhidos dentro da dança de salão.
Adequação das peças escolhidas para a faixa etária dos (as) bailarinos (as);
Melhor figurino: Aquele que retratar o estilo da dança de salão a ser dançado; com fidelidade.
 
5 - CATEGORIA MASTER PRÊMIO  
O grupo vencedor por 3 anos consecutivos será convidado especial do ano seguinte para fazer o show de abertura. Não podendo participar das mostras competitivas, somente na mostra livre. O coreógrafo deste grupo dará uma palestra falando de seu processo criativo. No caso se mais grupos forem contemplados o prêmio fica dividido entre eles, bem como o espetáculo de abertura.
 
DOS ENSAIOS DE PALCO 
- Os ensaios acontecerão no Palco do Centro de Eventos de Piratuba e serão realizados no mesmo dia em que a coreografia irá ser apresentada;
- A ordem dos ensaios de palco e das apresentações será elaborada pela coordenação do evento;
- Cada grupo participante terá, para o ensaio e reconhecimento de palco, o tempo máximo de 15 (quinze) minutos, por coreografia; O grupo que ultrapassar o limite de tempo fornecido passa a sofrer pena de desconto de 0,40 pontos por cada segundo a mais utilizado no ensaio, que será descontado na nota da apresentação da noite referida.
- O não comparecimento de grupo no horário agendado, automaticamente perde o direito ao ensaio.
- No momento do ensaio o grupo poderá utilizar, ou não, o cenário que será utilizado na noite de apresentação, entretanto deve respeitar o limite de tempo destinado ao seu grupo. Não serão permitidos que cenários ou adereços de mão fiquem nas coxias do Centro eventos;
- O grupo que sujar o palco tem o mesmo um minuto final do cenário para retirada e para limpeza do palco, senão sofre pena de 0,40 pontos por cada segundo a mais.  
 
DO CANCELAMENTO OU DESISTÊNCIA 
No caso de cancelamentos ou desistências das participações no evento, o coreógrafo do grupo, ou o diretor deverá justificar, por escrito, o motivo da decisão, até dia 20/10/2017. No caso de cancelamentos não haverá devolução de taxas. 
 
DOS CAMARINS 
A ocupação dos camarins está sujeita às seguintes condições:
- A ordem de entrada nos camarins seguirá a ordem de entrada das apresentações;
- A entrada dos bailarinos para a apresentação em Palco, será pelo camarim do lado direito e a saída pelo camarim lado esquerdo;
- A coordenação não se responsabilizará por objetos deixados nos camarins e/ou sala de aquecimento. 
 
DO RAIDER TECNICO: ESTRUTURA DE SOM E LUZ 
Técnicos
-
Técnicos de som e luz acompanharão os ensaios de palco, a fim de orientar os grupos na utilização dos recursos disponíveis;
- É obrigatória a presença de um responsável do grupo na cabine de som e luz para orientação dos técnicos, por ocasião da apresentação do grupo em palco;
- Os técnicos de som e luz do Festival são responsáveis pela operacionalização dos equipamentos e orientações aos grupos na utilização destes recursos.
- Obs: Se os técnicos não procederem dentro do previsto, com os participantes e coreógrafos o responsável devera comunicar a organização para ser tomada uma providencia

Som
- Os grupos que necessitarem plugar algum equipamento no sistema de som, tanto para o ensaio como para a noite de apresentação, devem descrevê-los detalhadamente no momento da inscrição da coreografia.
- A afinação/equalização destes equipamentos será feita durante o tempo de ensaio de palco do grupo. A quantidade de canais será autorizada conforme disponibilidade do sistema de som do evento e cronograma das apresentações; e será oferecido apenas o que esta licitado no material do festival. Qualquer outra aparelhagem extra é por conta do grupo de dança.
- Qualquer dano que venha a sofrer o sistema com outra aparelhagem, que não esteja na licitação trazida pelo evento, o grupo de dança, será responsabilizado com os danos causados na aparelhagem.

Iluminação
- O grupo que desejar gravar antecipadamente a sequência de iluminação de sua coreografia deverá fazê-la durante a passagem de palco não sendo permitido outro horário para tal gravação. Caso o grupo não possua técnico para tal gravação, a iluminação poderá ser feita pelos técnicos do Festival, ficando por conta dos coreógrafos as orientações de iluminação durante as apresentações;
- Lembrando que os técnicos não conhecem a coreografia em questão, e precisam ser orientados para um total sucesso da ação pelo responsável da coreografia.
- O mapa da iluminação será fornecido pelo evento e estará disponível no site do evento.
- Não será permitido alterar o mapa de luz que estará disponível no site do Festival, a base de iluminação geral é disponibilizada igualmente para todos os grupos.

Linólio
-
O linóleo será oferecido para propiciar uma qualidade de palco e segurança dos bailarinos.
- O grupo fica responsável por qualquer dano com a colocação de cenário, ou material cortante que danifique o linóleo.
 
DA ESTRUTURA DE PALCO 
Conheça o Mapa da Estrutura de Palco 
 
DOS CDs COM AS MÚSICAS PARA A COMPETIÇÃO 
- Os grupos participantes e inscritos no festival deverão apresentar um CD, com capa e um pendrive, devidamente identificados com o nome do grupo, para cada apresentação a ser realizada;
- O CD e pendrive deverão ser gravados apenas com a música usada na apresentação;
-  O CD e o pendrive serão entregues à coordenação do evento, no ato do ensaio de palco, que serão devolvidos ao final da apresentação ao coordenador, ajudante e ou coreógrafo do grupo.
Observação: Não serão aceitas músicas gravadas em: MDs, ADAT, PENDRIVE e/ou CDs com mais de uma música.
 
DOS ELEMENTOS CÊNICOS 
- Só serão permitidos elementos cênicos simples e práticos, bem como instrumentos musicais e outros de fácil colocação e remoção;
- É de responsabilidade do grupo a colocação e remoção desses elementos cênicos do palco, logo após a sua apresentação e desde que não interfira no bom andamento das apresentações, assim como do grupo subsequente;  O grupo terá o tempo limite de 1 (um) minuto antes e 1 (um) minuto depois da sua apresentação, para a colocação e retirada do material de cena, não podendo prejudicar a sequência do espetáculo; Fora isso sofre pena de 0,40 pontos por cada segundo a mais no palco, descontados da média final.
- Não será permitida apresentações com crianças, animais, fogo, água ou qualquer objeto/ produto que possa vir a sujar o palco, ou prejudicar o bom andamento das apresentações subsequentes.
- O grupo tem a obrigação de realizar a retirada do material cênico dos camarins, na mesma noite, após sua apresentação.
 
DOS ENSAIOS 
DO PALCO ABERTO 
- Grupos com coreografias inscritas na Mostra Competitiva poderão participar dos Palcos Abertos, assim como, também poderão participar, os grupos iniciantes, que queiram conhecer o evento e trocar conhecimentos. O objetivo é levar ao público da cidade e aos turistas, apresentações dos participantes no evento;
- Os Grupos que desejam participar do Palco Aberto deverão fazer a inscrição pelo site, na categoria Palco Aberto;
- As apresentações em Palco Aberto acontecerão da seguinte forma:
- 01 Palco na Escola Municipal “Professora Amélia Poletto Hepp” - 09/11/17, às 10 horas;
- 01 Palco na Escola Municipal de 1 Grau “Professora Amélia Poletto Hepp” - 09/11/17, às 14:30 horas;
 
CONCURSO MISTER E MUSA DO FESTIVAL DE DANÇA DA TERCEIRA IDADE/ 2016. 
Critérios de participação:
- Estar inscrito no grupo;
- Participar do ensaio;
- Fazer uso de traje de gala.

Observação: O sorteio, com a ordem de participação no desfile, será realizado no domingo, dia 05/11/17, em reunião dos coreógrafos.

Do concurso
- Dia - 08 de novembro de 2017
- Local - Centro de Eventos - (mesmo local do Festival)
- Horário – 19 horas

Do Ensaio
- Dia 08 de novembro, às 13 horas e 30 minutos, no centro de eventos;
- Será obrigatória a presença de todos os candidatos (as) no ensaio. O não comparecimento dos candidatos implicará na desclassificação automática, não podendo participar da competição à noite.

Da avaliação
Serão avaliados os seguintes critérios:
- Simpatia;
- Desenvoltura;
- Apresentação (traje)
Observação: Os candidatos serão avaliados pela banca de jurados e o resultado sairá na mesma noite, após a desfile/apresentação. O desempate ficará a critério dos jurados.
 
DOS CERTIFICADOS:  
Todos os participantes receberão certificados de participação. Os mesmos estarão disponíveis na secretaria do evento.
 
DA DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 
A divulgação dos premiados acontecerá no dia 09/11/2017, será entregue somente aos grupos que participarem do encerramento do evento.
 
DOS CASOS OMISSOS 
Os casos omissos nesse regulamento serão resolvidos pela coordenação do evento.
 
DA CLASSIFICAÇÃO 
- Primeiro Lugar - Maior média acima de 9,0 (nove);
- Segundo Lugar - Média imediatamente inferior ao primeiro lugar, acima de 8,0 (oito);
- Terceiro Lugar - Média imediatamente inferior ao segundo lugar, acima de 7,0 (sete).
 
DO DEBATE COM OS JURADOS:  
Logo após o término da noite das apresentações, acontecerá um encontro com os coreógrafos, que poderão trazer até dois elementos por grupo, para debate com jurados, cujo objetivo é a troca de experiências.
- Tendo como local o anfiteatro da Secretaria de Turismo, cito Rua Florianópolis, 246, Centro de Eventos, Piratuba – SC.
 
DAS PREMIAÇÕES  
As premiações serão realizadas para cada gênero da Mostra Competitiva, sendo eles: 

- Primeiro Lugar - Troféu e prêmio de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais);
- Segundo Lugar - Troféu e prêmio de R$ 700,00 (setecentos reais).
- Terceiro Lugar - Troféu e prêmio de R$ 500,00 (quinhentos reais).
 
DAS PREMIAÇÕES ESPECIAIS:  
Os critérios podem estar não só na melhor execução, mas na simpatia, dinamismo e ideia criativa, bem como no traje utilizado nas coreografias. Ressalta-se que os selecionados, necessariamente podem não ser os primeiros colocados. Dependerá do olhar dos jurados, diante dos aspectos pontuados nos critérios avaliativos. Todos esses critérios serão analisados e julgados e aos jurados caberá a decisão final, aos prêmios revelações/ 2017, do Festival Internacional de Dança da Terceira Idade. Serão premiações especiais:
 
DESTAQUE DANÇARINO:  
PRÊMIO de R$ 500,00 (quinhentos reais);
 
DESTAQUE DANÇARINA: 
PRÊMIO de R$ 500,00 (quinhentos reais);
 
COREÓGRAFO (A) REVELAÇÃO:  
PRÊMIO de R$ 1.000,00 (mil reais);
 
GRUPO REVELAÇÃO FOLCLORE: 
PRÊMIO de R$ 1.000,00 (mil reais);
 
GRUPO REVELAÇÃO DANÇA DE SALÃO CONJUNTO: 
PRÊMIO de R$ 1.000,00 (mil reais); 
 
GRUPO REVELAÇÃO DANÇA COREOGRÁFICA: 
PRÊMIO de R$ 1.000,00 (mil reais);
 
MELHOR FIGURINO 
PRÊMIO de R$ 800,00 (oitocentos reais);
 
MISTER: 
Faixa e prêmio extra;
 
MUSA: 
Faixa e prêmio extra;
 
BAILARINO MAIS IDOSO: 
Prêmio de honra ao mérito;
 
BAILARINA MAIS IDOSA: 
Prêmio de honra ao mérito;
 
GRUPO MASTER PRÊMIO  
O grupo que ganhar 3 anos consecutivos será convidado do evento no próximo ano para fazer a abertura. O coreógrafo dará uma palestra, remunerada, falando de seu processo criativo. O grupo ganhará R$ 1.500,00. A palestra será paga para o coreógrafo, conforme cachê pago aos professores do evento. Se mais grupos forem contemplados o prêmio fica dividido entre eles, bem como, o espetáculo de abertura. Obs: Não poderão participar das competições no ano seguinte, apenas na mostra livre.
 
TODOS OS GRUPOS PARTICIPANTES TROFÉUS E MENÇÕES HONROSAS
 
 
 
 

Rua Florianópolis, n° 246, CIT
Bairro Balneário, Piratuba / SC
CEP: 89667-000
Produção Cultural APOIO PATROCÍNIO REALIZAÇÃO
© - Ideia Good - Soluções para Internet